Feeds:
Posts
Comentários

Navegando pela web encontrei o site 360 Cities, que apresenta grande banco de fotografias panorâmicas de cidades e uma experiência interativa de visualização das imagens em 360°, daí o nome do site. As imagens são enviadas por fotógrafos de mundo inteiro que se inscrevem no projeto. Fiz um passeio virtual e fui parar em uma homenagem para Iemanjá, registrada no reveillon de 2008, na praia de Copacabana.

Iemanjá. Clique na imagem para acessar o site.

Iemanjá. Clique na imagem para acessar o site.

Dica: utilize as setas de controle para apreciar o cenário em 360°.
Quer participar? O site apresenta algumas dicas para os fotógrafos iniciantes. Veja aqui.

A DigiActive, organização que ajuda cidadãos no uso de ferramentas digitais para mobilização social e mudança política, lançou o guia An Introduction to Digital Activism (Uma introdução ao ativismo digital, disponível em inglês).

A apresentação, em 19 slides, destaca exemplos de ativismo digital que foram usados em manifestações na Colômbia, Paquistão e China, por meio de articulação em redes sociais, mensagens SMS ou blogs.

“Cidade submersa é reduzida a tetos e parabólicas no Maranhão”. Esta foi a manchete de uma notícia publicada na BBC News sobre a situação da cidade de Trizidela do Vale, que teve 90% de sua área atingida pela enchente. As antenas parabólicas ficaram acima do nível das inundações, como descreveu o correspondente Gary Duffy. As antenas parabólicas fazem parte do cenário das enchentes, mas não foram completamente afetadas. Uma coincidêndia que serve como metáfora sobre as diferentes fontes de informação e cobertura da tragédia.
Tenho acompanhado em fóruns de discussão online ou até em conversas com amigos uma comparação inevitável entre a cobertura feita pela da mídia nacional, principalmente da tv, sobre as enchentes de Santa Catarina, em dezembro de 2008, e as enchentes que atingiram o Norte e Nordeste nos meses de abril e maio deste ano.
Essa discussão deve ir além de uma postura bairrista para questionarmos o próprio trabalho jornalístico e as formas de mobilização do povo brasileiro.
As enchentes no Norte e Nordeste podem ser consideradas como pauta oculta? As notícias na tv, rádios, jornais e portais jornalísticos nacionais e internacionais indicam que o tema está na pauta sim.
E onde está a diferença em relação à cobertura midiática da tragédia de Santa Catarina? Na forma da divulgação, no apelo emocional e exploração sensacionalista. Isto me leva a uma outra indagação: O que move a solidariedade do brasileiro? Precisamos do choro em close-up, do resgate ao vivo espetacularizado, de apresentador com voz embargada da emoção contida? Precisamos da exploração sensacionalista mesmo que seja para depois atacarmos o sensacionalismo?
Até pouco tempo, toda insatisfação relacionada à cobertura feita pelos grandes meios de comunicação era manifestada nas carta de leitores, na troca de canal da tv ou de emissora de rádio e podíamos nos sentir leitores/telespectadores/ouvintes “críticos” em oposição à maioria “alienada”.
Mas enquanto discutimos e criticamos, há 294.461 pessoas desalojadas, aquelas que estão hospedadas com amigos ou familiares, e 135.592 pessoas desabrigadas, aquelas que dependem de abrigos públicos, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira, dia 29, pela Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração Nacional. Notícia completa neste link.
Agora temos acesso a ferramentas e possibilidades de divulgação e organização das notícias, de propor novas pautas e enquadramentos, de estabeler própria agenda. Então, por que ficar apenas reclamando da cobertura feita pela grande mídia?

Outros meios, outras mensagens
Além dos mapeamentos citados em post anterior no Eu Jornalisto, há outras importantes alternativas de produção e divulgação das informações das enchentes.
O blog Enchentes no Nordeste foi lançado para agregar e gerar informações sobre as cidades atingidas como forma de mobilizar ajuda aos diretamente afetados. Os dados são organizados por Leonardo Fontes, Gabriel Ramalho e Emílio Moreno. Para colaborar basta enviar o link do artigo ou foto para o email leonardo@blogueisso.com.
O blog faz parte do rede BlogueIsso!, projeto que reúne difrentes blogueiros do Ceará.
Uma alternativa para quem fez bons registros fotográficos das cidades alagadas é o site Citizenside, considerado uma das principais plataformas de jornalismo cidadão, com todo conteúdo produzido pelos próprios usuários. O jornalista maranhense Bruno Barata publicou fotos feitas na cidade de Bacabal, Maranhão, e as imagens podem ser vistas neste link.
Os desabrigados que não conseguiram salvar seus aparelhos de tv’s e rádio, certamente salvaram câmeras para filmar ruas alagadas cujas imagens estão disponíveis no Youtube.

E você, ficará submerso em críticas ou seguirá a correnteza da colaboração?

“Sou um analfabeto digital.” Esta frase sempre vem acompanhada de um sorriso amarelo e pode ser dita por muitos letrados. Temos que aprender a ler o mundo digital, mas não há tempo de voltar para a pré-escola e rever aquela encantadora professorinha, certo?

Apresento este ABC multimídia, produzido por Mark S. Luckie, autor do blog 10,000 Words, onde há sempre ótimas dicas para o jornalismo online.
A de áudio – B de blog – C de chat…

Clique na imagem para ver a animação

Clique na imagem para ver a animação

Boa leitura!

Conhecem o Wordle? Recomendo um passeio pelo site que permite a criação de “nuvens de palavras” em diversos formatos. Não precisa ter conta e basta copiar texto ou adicionar link de algum site na página de criação. As imagens são geradas automaticamente. Você pode modificar sua “nuvem” na área de edição. O destaque de cada palavra dependerá da frequência em que ela é citada no texto.

De tanto brincar no Wordle, fiz um teste com uma letra de música:
nuvemmusica1

Então, qual é a música?
O prêmio para o vencedor é de 2 mil reais em barras de ouro…

O prêmio será um lindo e gentil Parabéns!

Galeria
Dauro Veras criou uma nuvem de lembranças: Rua dos Surfistas

Mais de 1 milhão de pessoas foram atingidas pelas enchentes no Norte e Nordeste do Brasil, como informa a Secretaria Nacional de Defesa Civil. O aumento do nível dos rios foi acompanhado de uma enxurrada de informações (trocadilho previsível, mas propício) sobre drama dos moradores desabrigados ou desalojados, interdições de trechos de importantes rodovias, formas de doações para as vítimas.
A produção dessas informações não ficou restrita aos jornais, sites e agências de notícias. Basta uma  busca no Youtube, Orkut ou Twitter para encontrarmos diferentes formas de registros feitos por moradores sobre os estragos causados pelas enchentes ou formas de mobilização para ajudar as vítimas.
Para ter dimensão do problema, comecei a mapear as cidades e rodovias mais afetadas no Maranhão, estado onde eu moro. Usei o Google Maps e adicionei marcadores sobre os municípios que decretavam situação de emergência, conforme dados da Defesa Civil do Maranhão, e sobre trechos interditados nas estradas com informações da Polícia Rodoviária Federal. Os marcadores foram editados com links para imagens e vídeos publicados na internet. O resultado foi este:
Maranhão: mapa das enchentes


Embora o Maranhão seja um dos estados mais prejudicados – dos 217 municípios maranhenses, 95 foram afetados – as enchentes dos meses de abril e maio atingiram 13 estados brasileiros, dentre esses, o Ceará.
Por isso, a jornalista cearense Alessandra Marques também criou o mapa Enchentes no Ceará.

Por que não integrar esses mapeamentos paralelos e construir um único mapa para facilitar a mobilização? Os mapas do Maranhão e Ceará foram salvos como arquivo KML e importados para a construção do Mapa das Chuvas, nacional e colaborativo:

A edição colaborativa é fundamental para tornar o mapeamento fonte de informação. O jornalista Rômulo Maia editou os dados das enchentes no Piauí. Informações do Pará foram adicionadas por Gilton Paiva, que não é jornalista, mas mora em Belém.

O mapeamento continua
A mobilização na internet para ajudar as vítimas das enchentes tem sido feita em sitesde notícias, blogs, redes sociais online e twitter.
A publicação de informações por mapas teve mais uma importante colaboração. O jornalista Charles Cadé fez o mapeamento dos locais de doações em diversas capitais. Veja o mapa Enchentes – Doações:


Charles exportou todas as informações de seu mapa para o Mapa das chuvas, contribuindo para a mobilização e para essa experiência de informação colaborativa.

Quem quiser colaborar, o Mapa das chuvas apresenta estas dicas de edição.

Divulgação no ciberespaço
Agradeço a todos os blogs e sites que divulgaram estes mapeamentos. Listei alguns:
GlobalVoices
Liberdade Digital
Tom Procê
Castro Digital
Coari por Coari
SOS Rios do Brasil
Desenhos Tortos

Não sei por que demorei tanto a lançar um blog. Mas agora está lançado, atirado,  jogado,  gritado, linkado e descrito nesta imagem:
Wordle: palavras
Ai, palavras. Ai, imagens.