Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘jornalismo’ Category

Coitado! O rei está nu! A decisão do Supremo Tribunal Federal pela fim da exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista revelou o que já suspeitávamos: o Jornalismo está nu e com a mão no bolso. O diploma estava funcionando como tarja preta para esconder a nudez. Sem a tarja, podemos buscar novas vestimentas.
Mas o nível da argumentação de muitos estudantes ou profissionais revoltados com a decisão pode ser resumido em dois pontos: “estudar para quê?” e “os patrões vão preferir pessoas desqualificadas por um salário menor”. As manifestação no Twitter (veja aqui) refletem a tendência dos debates que acontecem offline.
Então, caros colegas, vocês estudam para SERVIR a quem? Logo, todo este período de exigência do diploma estava formando “peões” diplomados, expressão perfeitamente fundamentada por Ivana Bentes, professora e diretora da Escola de Comunicação da UFRJ.
Observo esta mudança como um desafio positivo para as Universidades, uma oportunidade de revisarem os projetos pedagógicos, de construírem laboratórios em diálogo com os cursos de Ciência da Computação, Biblioteconomia e Design. Centros de experimentação de novas narrativas jornalísticas integradas com bancos de dados para produção de informações consistentes e diferenciadas.
Um estímulo aos bons professores que hoje lamentam a falta de interesse de alunos que só estão em busca de diploma como atestado de burrice.
Há outros pontos relevantes no debate que precisam ser avaliados pelos profissionais, como os direitos trabalhistas.
Destaquei os aspectos que mais me incomodam.
Vamos tecer a roupa do rei?

Outros textos:
O retrato da nossa miséria, por Marcelo Soares
O fim do diploma e o começo de outro jornalismo, por Alec Duarte.
A roupa nova do rei, por Hans Christian Andersen.

Share

Read Full Post »

A organização internacional Médicos Sem Fronteiras publica, desde 1998, lista anual das dez crises humanitárias mais negligenciadas pela mídia nos Estados Unidos.
Crises de humor da Britney Spears ou de Amy Winehouse recebem mais cobertura midiática do que a crise humanitária em países como Somália, Zimbábue e República Democrática do Congo.
Organizei o Top 10 elaborado pelos Médicos Sem Fronteiras em uma linha do tempo usando a plataforma do Dipity.

Clique para acessar a linha do tempo no Dipity

Clique para acessar a linha do tempo no Dipity

A lista mais recente apresenta as seguintes pautas negligenciadas em 2008:

Catástrofe humanitária na Somália;

Crise na saúde em Mianmar;

Desnutrição infantil;

Violência no Sudão;

Guerra devasta região leste da República Democrática do Congo;

Necessidade crítica de assistência na região somali da Etiópia;

Crise na saúde devasta Zimbábue;

Civis iraquianos necessitam urgentemente de assistência;

Co-infecções de hiv/tuberculose;

Conflito no noroeste do Paquistão.

Veja o documento completo:
Top Ten Humanitarian Crises of 2008

Shared via AddThis

Share

Read Full Post »

A Agência de Notícias da Infância Matraca lançou o blog Ajuda Maranhão! para ajudar as vítimas das enchentes no estado.

Além de informações sobre campanhas, eventos e ações voluntárias, o blog apresenta análises sobre as consequências desse desastre depois das inundações.
As enchentes tornaram mais grave a situação de vulnerabilidade da população das áreas mais afetadas, cidades com elevado índice de pobreza. As crianças são as maiores vítimas, como destaca Eliana Almeida, coordenadora do escritório do UNICEF no Maranhão:

Neste momento, não podemos deixar de dirigir nosso olhar em especial para cada criança e adolescente que está vivendo essa grave situação. E não são poucos: a Defesa Civil Estadual estima que representam quase 60% dos afetados, somando mais de 140 mil meninos e meninas, com cerca de 30 mil desalojados e mais de 20 mil vivendo em abrigos.
Quando algo ameaça nossa casa, logo procuramos saber onde estão as crianças, buscamos protegê-las e garantir o seu bem-estar. É essa atitude que precisamos repetir ao traçar as estratégias e políticas de atendimento aos municípios afetados pelas águas. Estando em uma fase peculiar de desenvolvimento, as crianças e os adolescentes precisam estar sempre no centro das atenções da família, da comunidade e das autoridades, ainda mais em situações de conflito, guerras ou desastres naturais, como estas inundações.

Veja outras experiências de organização de informações das enchentes no Norte e Nordeste:
Mapa das chuvas no Brasil
Maranhão: mapa das enchentes
Mapa das doações
Blog Enchentes no Nordeste

Mais informações sobre essas iniciativas:
Enchentes: os meios e as mensagens
Mapa das chuvas: experiência colaborativa

Read Full Post »

“Cidade submersa é reduzida a tetos e parabólicas no Maranhão”. Esta foi a manchete de uma notícia publicada na BBC News sobre a situação da cidade de Trizidela do Vale, que teve 90% de sua área atingida pela enchente. As antenas parabólicas ficaram acima do nível das inundações, como descreveu o correspondente Gary Duffy. As antenas parabólicas fazem parte do cenário das enchentes, mas não foram completamente afetadas. Uma coincidêndia que serve como metáfora sobre as diferentes fontes de informação e cobertura da tragédia.
Tenho acompanhado em fóruns de discussão online ou até em conversas com amigos uma comparação inevitável entre a cobertura feita pela da mídia nacional, principalmente da tv, sobre as enchentes de Santa Catarina, em dezembro de 2008, e as enchentes que atingiram o Norte e Nordeste nos meses de abril e maio deste ano.
Essa discussão deve ir além de uma postura bairrista para questionarmos o próprio trabalho jornalístico e as formas de mobilização do povo brasileiro.
As enchentes no Norte e Nordeste podem ser consideradas como pauta oculta? As notícias na tv, rádios, jornais e portais jornalísticos nacionais e internacionais indicam que o tema está na pauta sim.
E onde está a diferença em relação à cobertura midiática da tragédia de Santa Catarina? Na forma da divulgação, no apelo emocional e exploração sensacionalista. Isto me leva a uma outra indagação: O que move a solidariedade do brasileiro? Precisamos do choro em close-up, do resgate ao vivo espetacularizado, de apresentador com voz embargada da emoção contida? Precisamos da exploração sensacionalista mesmo que seja para depois atacarmos o sensacionalismo?
Até pouco tempo, toda insatisfação relacionada à cobertura feita pelos grandes meios de comunicação era manifestada nas carta de leitores, na troca de canal da tv ou de emissora de rádio e podíamos nos sentir leitores/telespectadores/ouvintes “críticos” em oposição à maioria “alienada”.
Mas enquanto discutimos e criticamos, há 294.461 pessoas desalojadas, aquelas que estão hospedadas com amigos ou familiares, e 135.592 pessoas desabrigadas, aquelas que dependem de abrigos públicos, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira, dia 29, pela Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração Nacional. Notícia completa neste link.
Agora temos acesso a ferramentas e possibilidades de divulgação e organização das notícias, de propor novas pautas e enquadramentos, de estabeler própria agenda. Então, por que ficar apenas reclamando da cobertura feita pela grande mídia?

Outros meios, outras mensagens
Além dos mapeamentos citados em post anterior no Eu Jornalisto, há outras importantes alternativas de produção e divulgação das informações das enchentes.
O blog Enchentes no Nordeste foi lançado para agregar e gerar informações sobre as cidades atingidas como forma de mobilizar ajuda aos diretamente afetados. Os dados são organizados por Leonardo Fontes, Gabriel Ramalho e Emílio Moreno. Para colaborar basta enviar o link do artigo ou foto para o email leonardo@blogueisso.com.
O blog faz parte do rede BlogueIsso!, projeto que reúne difrentes blogueiros do Ceará.
Uma alternativa para quem fez bons registros fotográficos das cidades alagadas é o site Citizenside, considerado uma das principais plataformas de jornalismo cidadão, com todo conteúdo produzido pelos próprios usuários. O jornalista maranhense Bruno Barata publicou fotos feitas na cidade de Bacabal, Maranhão, e as imagens podem ser vistas neste link.
Os desabrigados que não conseguiram salvar seus aparelhos de tv’s e rádio, certamente salvaram câmeras para filmar ruas alagadas cujas imagens estão disponíveis no Youtube.

E você, ficará submerso em críticas ou seguirá a correnteza da colaboração?

Read Full Post »

“Sou um analfabeto digital.” Esta frase sempre vem acompanhada de um sorriso amarelo e pode ser dita por muitos letrados. Temos que aprender a ler o mundo digital, mas não há tempo de voltar para a pré-escola e rever aquela encantadora professorinha, certo?

Apresento este ABC multimídia, produzido por Mark S. Luckie, autor do blog 10,000 Words, onde há sempre ótimas dicas para o jornalismo online.
A de áudio – B de blog – C de chat…

Clique na imagem para ver a animação

Clique na imagem para ver a animação

Boa leitura!

Read Full Post »

Mais de 1 milhão de pessoas foram atingidas pelas enchentes no Norte e Nordeste do Brasil, como informa a Secretaria Nacional de Defesa Civil. O aumento do nível dos rios foi acompanhado de uma enxurrada de informações (trocadilho previsível, mas propício) sobre drama dos moradores desabrigados ou desalojados, interdições de trechos de importantes rodovias, formas de doações para as vítimas.
A produção dessas informações não ficou restrita aos jornais, sites e agências de notícias. Basta uma  busca no Youtube, Orkut ou Twitter para encontrarmos diferentes formas de registros feitos por moradores sobre os estragos causados pelas enchentes ou formas de mobilização para ajudar as vítimas.
Para ter dimensão do problema, comecei a mapear as cidades e rodovias mais afetadas no Maranhão, estado onde eu moro. Usei o Google Maps e adicionei marcadores sobre os municípios que decretavam situação de emergência, conforme dados da Defesa Civil do Maranhão, e sobre trechos interditados nas estradas com informações da Polícia Rodoviária Federal. Os marcadores foram editados com links para imagens e vídeos publicados na internet. O resultado foi este:
Maranhão: mapa das enchentes


Embora o Maranhão seja um dos estados mais prejudicados – dos 217 municípios maranhenses, 95 foram afetados – as enchentes dos meses de abril e maio atingiram 13 estados brasileiros, dentre esses, o Ceará.
Por isso, a jornalista cearense Alessandra Marques também criou o mapa Enchentes no Ceará.

Por que não integrar esses mapeamentos paralelos e construir um único mapa para facilitar a mobilização? Os mapas do Maranhão e Ceará foram salvos como arquivo KML e importados para a construção do Mapa das Chuvas, nacional e colaborativo:

A edição colaborativa é fundamental para tornar o mapeamento fonte de informação. O jornalista Rômulo Maia editou os dados das enchentes no Piauí. Informações do Pará foram adicionadas por Gilton Paiva, que não é jornalista, mas mora em Belém.

O mapeamento continua
A mobilização na internet para ajudar as vítimas das enchentes tem sido feita em sitesde notícias, blogs, redes sociais online e twitter.
A publicação de informações por mapas teve mais uma importante colaboração. O jornalista Charles Cadé fez o mapeamento dos locais de doações em diversas capitais. Veja o mapa Enchentes – Doações:


Charles exportou todas as informações de seu mapa para o Mapa das chuvas, contribuindo para a mobilização e para essa experiência de informação colaborativa.

Quem quiser colaborar, o Mapa das chuvas apresenta estas dicas de edição.

Divulgação no ciberespaço
Agradeço a todos os blogs e sites que divulgaram estes mapeamentos. Listei alguns:
GlobalVoices
Liberdade Digital
Tom Procê
Castro Digital
Coari por Coari
SOS Rios do Brasil
Desenhos Tortos

Read Full Post »